Pular para o conteúdo principal

A Dispensação da Consciência



A DISPENSAÇÃO DA CONSCIÊNCIA

 Esta dispensação durou  da  queda do homem até o Dilúvio.  O homem partiu do Éden em condições bem diferentes das anteriores. Agora o mundo esta sob a maldição, e o homem estava sob pecado.
Nesta dispensação o teste divino de fé e de fidelidade era a prova da consciência, Os homens deveriam proceder conforme a consciência lhes apontasse ser o correto. Ao homem caberia agir com justiça e evitar o pecado, percebemos isso nas palavras de Deus para Caim:
Se bem fizeres, não é certo que serás aceito? E se não fizeres bem, o pecado jaz à porta, e sobre ti será o seu desejo, mas sobre ele deves dominar.

A história de Caim
(Gn 4.1-15) Caim foi a primeira criança humana.   Caim não se humilhou com tristeza e arrependimento diante de Deus, pois se afastou do Senhor e procurou viver sem a sua ajuda.  Caim tinha uma escolha a fazer. Ele podia corrigir sua atitude quanto à oferta a Deus ou descontar a raiva em seu irmão. Sua decisão é um claro lembrete de como estamos cientes das escolhas opostas, e mesmo assim optamos por fazer a que é errada, exatamente como procedeu Caim.  Caim foi o primeiro assassino.
Os familiares ímpios de Caim organizaram e dirigiram suas vidas em torno das artes e empreendimentos seculares, e instituíram um modo de vida voltado para a altivez e a arrogância.

 A história de Abel
(Gn 4.2-9) Abel foi a segunda criança trazida ao mundo, mas a primeira a obedecer a Deus.  Tudo que se sabe a respeito deste homem é que era filho de Adão e Eva, pastor de ovelhas, apresentou sacrifícios agradáveis a Deus e teve sua breve vida interrompida pelas mãos do irmão mais velho enciumado, Caim.
  Apenas Abel obedeceu. Por toda a história, Abel é lembrado por sua obediência e fé (Hb 11.4), e é chamado “justo” (Mt 23.35).

A história de Sete
( Gn 5.3)  Sete dado por Deus para Adão e Eva para substituir Abel como linhagem piedosa, ao contrário de Caim ,invocava “o nome do Senhor”, expressando assim a sua dependência dEle.
 Sob o incentivo de Enos, tiveram começo as orações e o culto público ao Senhor, onde invocar o nome do Senhor refere-se ao culto público.
 Dessa forma, duas descendências totalmente diferentes foram ocupando a terra – a dos “justos” e a dos “ímpios”.

A linhagem ímpia de Caim
Caim foi o primeiro a construir cidades e o primeiro a glorificar o homem (Gn 4.17).  Ele fundou uma civilização e seus descendentes ocuparam-se em desenvolver os recursos naturais, as utilidades e as artes estéticas.

Jabal – Um dos filhos de Lameque, distinguiu-se como o primeiro homem a ocupar-se da pecuária e a adotar uma vida nômade, habitando em tendas. Talvez em desafio ao mandamento de Deus, teria introduzido na dieta o uso de carne e de leite, com a intenção de escapar ao duro trabalho de lavrar a terra.

Jubal – Outro filho de Lameque, foi o inventor de instrumentos musicais. A música é do Senhor e haverá maravilhosas harmonias no céu, mas no capítulo 4 de gênesis trata-se da linhagem ímpia de Caim. Esses homens, Jabal, Jubal e Tubalcaim eram todos homens ímpios. Gn 4.19-22


A linhagem piedosa de Sete (Gn 4.25 a 5.32)
Sete e seus descendentes foram  homens de Deus (Gn 4.26).
Enoque, o sétimo depois de Adão, é focalizado como um homem de Deus e, por seu fiel andar com Deus, foi arrebatado do meio da impiedade prevalecente nos dias anteriores ao Dilúvio. Ele entrou na história como o tipo dos vencedores dos últimos dias, que escaparão aos juízos e à Grande Tribulação que sobrevirão à terra. Hb 11.5
Como a posteridade de Sete é diferente da de Caim! Não se notam aquelas invejas, brigas, licenciosidade e violência tão generalizadas na outra linhagem.  Enoque foi um homem que não passou pela morte, por andar em comunhão com Deus, foi “tomado” deste mundo para os braços do Criador.  As escrituras citam apenas mais um homem que “andou com Deus”, Noé (Gn 6.9), e um outro que não passou pela morte para estar com Deus, Elias (II Rs 2.11).


 O dilúvio (Gn 6.13 – 10.32)
A corrupção da humanidade – A razão para o acontecimento do dilúvio foi, sem dúvida, a corrupção da humanidade.  A linhagem piedosa de Sete se misturou com a linhagem ímpia de Caim. Deus determinou que aquela geração ímpia seria dizimada. Então, depois constantes avisos, por meio das pregações de Noé, ordenou-o que construísse uma arca cujo propósito seria a salvação para os que nela entrassem. Deus anuncia o dilúvio a Noé – Em meio a iniqüidade e maldade generalizada daqueles dias, Deus achou em Noé um homem que ainda buscava comunhão com Ele e que era “varão justo”.

A estrutura da arca de Noé – A estrutura da arca de Noé era a seguinte: Comprimento – 135 metros; Largura – 22 metros; e 13 metros de Altura.  A arca possuía três pisos divididos em vários cômodos.  

Noé acreditou a palavra de Deus, de que iria destruir a terra, era verdadeira (Hb 11.7). A pregação de Noé foi ignorada pelos homens perversos de sua época.  A história da salvação de Noé na arca é resumida em Hebreus 11.7.
O Dilúvio é o encerramento da dispensação da consciência e o começo da dispensação do Governo Humano.



Fontes:

solascriptura-tt.org
ebdareiabranca.com
História Bíblica Dispensacional - Apostila FAETEL 2000
dispensacao.blogspot.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trindade Imanente e Trindade Econômica

Não se pode estudar Teologia do ponto de vista ortodoxo sem refletir a respeito da doutrina Trindade. A grande maioria das Igrejas cristãs abraça esta doutrina. Ela é básica para o Cristianismo.  A Declaração típica do credo cristão histórico é: Cremos em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo .
Os judeus do tempo de Jesus davam muita ênfase à unidade de Deus, e esta ênfase foi trazida para dentro da igreja cristã. Não muito tempo depois,  estudiosos da Bíblia notaram que a Unidade ensinada no Judaísmo não era tão evidente assim como se entendia na época. Analisando as afirmações de Cristo e as revelações do apóstolo Paulo chegou-se a conclusão de uma Triunidade, também chamada de  Trindade .
Tertuliano (ca. 160 - ca. 220 d.C.) foi o teólogo responsável pelo desenvolvimento do termo Trindade, ele criou a palavra “Trindade” (no latim, Trinitas), esse termo desde a sua época tornou-se característico da teologia cristã. Muitos teólogos do cristi…

Um caminho sujo para o jovem limpo - Salmo 119.9

Com que purificará o jovem o seu caminho? Observando-o conforme a tua palavra.  Salmo 119.9

Imagine comigo uma cena : um rapaz  limpo e  cuidadoso , com vestes muito brancas, tem de  cruzar por um caminho difícil e sujo para chegar ao seu destino. Para complicar , o lugar que o espera só o receberá se estiver com suas  vestes limpas. A trilha é lamacenta e ele irá inevitavelmente se sujar. Não há grama, concreto, pedras ou algum atalho identificável, ele terá que passar pelo barro. Para um jovem asseado como ele , a sujeira é desafiadora, incômoda, detestável. Sua aflição é grande por que sabe ter que trilhar este caminho. Mas imagine também que ele ouça alguém que lhe dirige a palavra dizendo: por aqui, escute a minha voz, siga por este caminho, desvie dos buracos. Mais adiante  esta voz lhe  avisa sobre uma poça, um galho, um obstáculo e assim  por diante, conselho sobre conselho, ele vai seguindo sem duvidar que essa voz lhe manterá  longe da sujeira e dos perigos do caminho. Não prec…

Os Pais capadócios

A região da Capadócia (também conhecida como Província da Capadócia) era localizada na área centro-oriental da Anatólia na moderna Turquia. Era um dos domínios romanos da região da Ásia Menor. Os Pais Capadócios foram três notáveis teólogos que viveram nesta região entre os concílios de Niceia (325) e o de Constantinopla (381). Sendo que suas contribuições para o Concilio constantinopolitano foram especialmente  relevantes. São eles  Basílio, Gregório de Nazianzo e Gregório de Nissa  e ficaram  conhecidos como os  Padres Capadócios.
Os três foram grandes amigos do assim chamado “Campeão da Ortodoxia” Atanásio, ou Atanásio de Alexandria , e criaram fórmulas para desenvolver a doutrina da Trindade de forma a ser aceita pela maioria dos teólogos da época. Basílio de Cesaréia e Gregório de Nissa eram irmãos, sendo que Basílio, que era seis anos mais velho, foi quem ensinou os princípios elementares da fé a seu irmão mais novo Gregório. Gregório de Nazianzo foi amigo íntimo dos dois, compartil…