Pular para o conteúdo principal

Os Pais capadócios



A região da Capadócia (também conhecida como Província da Capadócia) era localizada na área centro-oriental da Anatólia na moderna Turquia. Era um dos domínios romanos da região da Ásia Menor.
Os Pais Capadócios foram três notáveis teólogos que viveram nesta região entre os concílios de Niceia (325) e o de Constantinopla (381). Sendo que suas contribuições para o Concilio constantinopolitano foram especialmente  relevantes. São eles  Basílio, Gregório de Nazianzo e Gregório de Nissa  e ficaram  conhecidos como os  Padres Capadócios.

Os três foram grandes amigos do assim chamado “Campeão da Ortodoxia” Atanásio, ou Atanásio de Alexandria , e criaram fórmulas para desenvolver a doutrina da Trindade de forma a ser aceita pela maioria dos teólogos da época.
Basílio de Cesaréia e Gregório de Nissa eram irmãos, sendo que Basílio, que era seis anos mais velho, foi quem ensinou os princípios elementares da fé a seu irmão mais novo Gregório.
Gregório de Nazianzo foi amigo íntimo dos dois, compartilhando com estes a firmeza inabalável da fé e o amor pela doutrina correta.
Vamos a uma breve biografia de cada um.



Basílio de Cesareia
Também chamado de Basílio Magno ou Basílio, o Grande, ele foi o bispo de Cesareia, na Capadócia e um dos mais influentes teólogos a apoiar o Credo de Niceia. Basílio nasceu cerca de 330, de pais nobres, ricos e crentes sinceros. Seu avô foi um dos mártires que morreu na perseguição romana. A Deus foi servido trazê-lo de uma linhagem de família justa e piedosa.
Foi adversário das heresias que surgiram nos primeiros anos do cristianismo como religião oficial do Império Romano, lutando principalmente contra o arianismo e os seguidores de Apolinário de Laodiceia. Basílio Magno, foi talvez o maior defensor da divindade do Espírito Santo. Ele lutou ferrenhamente contras as heresias dos pneumatomaquianos (adversários do Espírito Santo), também chamados de macedônios , que ensinavam  que o Espírito pertencia a uma categoria não divina , criada por Deus e, por isso distinta e separada Dele.

Mais do que sua grande obra como teólogo, Basílio ficou conhecido por seu cuidado com os pobres e necessitados. Ele estabeleceu padrões para a vida monástica com foco na comunidade, na oração e no trabalho manual. Juntamente com Pacômio, é lembrando como pai do monasticismo comunal no cristianismo oriental.
Ele também foi reconhecido por sua oratória maravilhosa, seus admiráveis escritos e suas inúmeras obras de assistência, que fez em favor do povo, ele  foi chamado “Basílio Magno”, essa alcunha foi dada não pelos historiadores, nem por seus amigos, mas pelos pobres e desfavorecidos que ele ajudou. Era amado tanto por cristãos, judeus  como pagãos.
Muito culto e profundo conhecedor de teologia, filosofia e literatura, seus sermões são repletos de citações da Sagrada Escritura. Escreveu seus textos de maneira agradável, clara, profunda e convincente, dentre os quais, cerca de quatrocentas cartas de rara beleza e encanto poético.
Basílio trabalhou ativamente para reformar ladrões e prostitutas. Ele também encorajou o clero a não ser tentado pelas riquezas . Basílio também teve a coragem de criticar funcionários públicos que injustiçavam o povo e pregava todas as manhãs e tardes em sua própria igreja para grandes congregações de fiéis. Ele construiu um grande complexo nas redondezas de Cesareia, chamado de Basilíada, que incluía um abrigo para os pobres, um hospício e um hospital.
 Morreu em 1º de janeiro de 379, com apenas quarenta e nove anos.



Gregório de Nazianzo
Foi  amigo e colega de Basílio  e era filho de um bispo. Foi destacado orador e poeta. Recebeu uma primorosa educação familiar e completou seus estudos nas mais notáveis escolas de sua época: Ficou conhecido na história como “o teólogo”. Ele foi patriarca de Constantinopla por breve tempo e presidiu o Concilio de Constantinopla (381). É dele o famoso dito ou principio cristológico e soteriológico de que “aquilo que não é assumido não é curado” . Como Basílio, ele também refutou o ariano extremado Eunômio, que afirmava que o Filho é inteiramente diferente do Pai .
Sua grande contribuição ã doutrina trinitária foi a ênfase no relacionamento interno entre as três pessoas divinas. Argumentou que as únicas distinções que podem ser estabelecidas entre as três pessoas da Trindade são aquelas referentes à origem de cada uma: o Pai é não-gerado, o Filho é gerado e o Espírito Santo é “procedente”. Dai falar-se na “processão” do Espírito. Originário da Capadócia, São Gregório foi ilustre teólogo, orador e defensor da fé cristã no século IV. Tornou-se célebre pela precisão de sua doutrina, pela qual defendeu a fé trinitária em meio às confusões causadas por diversas heresias. Devido a seu talento para se expressar, chegou também a ser admirado pelos pagãos, que o saudavam por sua sabedoria.
Era um admirador da vida monástica, especialmente influenciado por Basílio , desejando ser monge ele foi ordenado bispo mesmo a contragosto. Contudo, aceitou esta vocação e assumiu o ministério pastoral em total obediência. Mais tarde, foi consagrado bispo de Sásima e , no ano de 379, enviado a Constantinopla para combater a heresia ariana.
Gregório foi o primeiro a utilizar a ideia de processão [proceder de] para descrever a relação entre o Espírito Santo e a Divindade. Isso corroborou a doutrina da Trindade.
 Presidiu o Primeiro Concílio de Constantinopla (381), defendendo a Santíssima Trindade. Pastoreu um pequeno rebanho em sua cidade até que, enfrentando grande oposição, tornando insuportável a sua permanência. Retirou-se definitivamente em sua terra natal, dedicando-se ao estudo e à vida ascética. Nesse período compôs grande parte da sua obra poética, sobretudo a sua autobiografia, e a biografia de Basilio de Cesareia, seu ilustre amigo. Morre em 390 na sua terra natal.


Gregório de Nissa
Era o irmão mais novo de Basílio Magno, e destacou-se como teólogo. Ele produziu escritos teológicos e exegéticos, assim como tratados sobre moralidade cristã e uma biografia de sua irmã Macrina. Recebeu grande influência de Orígenes, embora não o tenha seguido de modo direto. 
Gregório de Nissa foi o primeiro sintetizador dos dogmas cristãos. Ele diferenciava fé e conhecimento e o conhecimento tem perante a fé uma posição secundária. A fé tem por fundamento a manifestação pela qual Deus se fez conhecer e essa manifestação não precisa ter por fundamento a lógica para sua comprovação. Essa fé é o parâmetro de comparação para estabelecermos as medidas da verdade e do saber. Cabe à ciência tornar disponível para a fé o conhecimento que irá facilitar o entendimento da própria fé. Entre esses conhecimentos que a ciência deve disponibilizar está o de tornar evidente a existência de Deus. 
Nos estudos teológicos o filósofo preocupou-se em assentar o fato de Deus ser único, pois nesse fato baseia-se a perfeição de Deus também enquanto trindade - Pai, Filho e Espírito Santo. Em sua explicação para a unicidade e a trindade divina Gregório diz que pelo nome falamos sim de três pessoas e falamos de três divindades, mas se o nome de Deus significar essência então existe a unicidade de Deus, porque em essência os três nomes são um só, pois tem a mesma natureza e a mesma substância. 
Suas obras trinitárias são: Sobre a Santa Trindade, Não três deuses: para Ablábio e Contra Eunômio, sendo a última uma tentativa de continuar a obra de Basílio. Fez o discurso inaugural do Concilio de Constantinopla. À semelhança de Gregório Nazianzeno, afirmou que a única distinção possível das pessoas da Trindade deve basear-se em suas relações internas. Ao contrário de Atanásio, que relacionou a divindade do Filho com a salvação, o método teológico dos capadócios foi fazer uso de argumentos lógicos e bíblicos.
Sua principal contribuição ao pensamento trinitário foi a refutação da acusação de triteísmo feita pelos adversários. A diferença que existe entre três indivíduos humanos (como Pedro, Tiago e João) e as três pessoas da Trindade é que, embora cada conjunto partilhe de uma natureza comum (respectivamente humana e divina), os primeiros agem de modo distinto e independente um do outro, ao passo que em Deus toda a atividade é uma só, toda operação é comum às três pessoas da Divindade.
Afirmam os historiadores que, pela sua eloquência, era lhe rendido um grande prestigio na corte imperial. Além do mais, ficou conhecido, em vida, como “o Filósofo”.  Faleceu no ado de 394 d.C., em Nyssa.


Fontes de pesquisa
www.ecclesia.com.br/biblioteca/hagiografia/s_basilio.html
afeexplicada.wordpress.com/2012/11/16/os-padres-capadocios/
teologiaeliturgialuterana.blogspot.com.br/2013/01/os-pais-capadocios.html
www.cristianismo.org.br/trindd20.htm
academico.arautos.org/2013/09/sao-basilio-magno/
www.franciscanos.org.br/?p=48211
www.quadrante.com.br/s-o-gregorio-de-nazianzo-autobiografia
www.filosofia.com.br/historia_show.php?id=41

academico.arautos.org/2013/10/sao-gregorio-de-nissa-o-maior-teologo-da-capadocia/



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trindade Imanente e Trindade Econômica

Não se pode estudar Teologia do ponto de vista ortodoxo sem refletir a respeito da doutrina Trindade. A grande maioria das Igrejas cristãs abraça esta doutrina. Ela é básica para o Cristianismo.  A Declaração típica do credo cristão histórico é: Cremos em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo .
Os judeus do tempo de Jesus davam muita ênfase à unidade de Deus, e esta ênfase foi trazida para dentro da igreja cristã. Não muito tempo depois,  estudiosos da Bíblia notaram que a Unidade ensinada no Judaísmo não era tão evidente assim como se entendia na época. Analisando as afirmações de Cristo e as revelações do apóstolo Paulo chegou-se a conclusão de uma Triunidade, também chamada de  Trindade .
Tertuliano (ca. 160 - ca. 220 d.C.) foi o teólogo responsável pelo desenvolvimento do termo Trindade, ele criou a palavra “Trindade” (no latim, Trinitas), esse termo desde a sua época tornou-se característico da teologia cristã. Muitos teólogos do cristi…

Um caminho sujo para o jovem limpo - Salmo 119.9

Com que purificará o jovem o seu caminho? Observando-o conforme a tua palavra.  Salmo 119.9

Imagine comigo uma cena : um rapaz  limpo e  cuidadoso , com vestes muito brancas, tem de  cruzar por um caminho difícil e sujo para chegar ao seu destino. Para complicar , o lugar que o espera só o receberá se estiver com suas  vestes limpas. A trilha é lamacenta e ele irá inevitavelmente se sujar. Não há grama, concreto, pedras ou algum atalho identificável, ele terá que passar pelo barro. Para um jovem asseado como ele , a sujeira é desafiadora, incômoda, detestável. Sua aflição é grande por que sabe ter que trilhar este caminho. Mas imagine também que ele ouça alguém que lhe dirige a palavra dizendo: por aqui, escute a minha voz, siga por este caminho, desvie dos buracos. Mais adiante  esta voz lhe  avisa sobre uma poça, um galho, um obstáculo e assim  por diante, conselho sobre conselho, ele vai seguindo sem duvidar que essa voz lhe manterá  longe da sujeira e dos perigos do caminho. Não prec…