Pular para o conteúdo principal

Manutenção de uma arma chamada fé. Salmo 119.43

Jamais tires da minha boca a palavra da verdade, pois nas tuas ordenanças coloquei a minha esperança. Salmo 119.43





No tempo em que servi no exército, no serviço militar obrigatório , eles cobravam bastante a manutenção do nosso armamento. Ele deveria estar sempre bem limpo e lubrificado.  Em uma situação de emergência ou no caso de uma eventual guerra ela deveria estar em ótimas condições de uso, pois dela dependeria a vida do soldado. 
Era um fuzil antigo a arma que usávamos, de quase 40 anos de uso, mas  pela idade ele era muito bem cuidado, a manutenção dele era caprichosa. 
Isso é fundamental. Imagine uma arma que falha ou trava bem no meio da peleja, a morte do soldado é quase certa.
Por isso era preciso conhecer bem aquilo em que tanto confiávamos  e de que  sua vida dependia.


Onde você deposita sua confiança?

A fé é uma arma poderosíssima, vence as batalhas mais complicadas. A fé é um poder gigantesco que está à disposição do salvo. É de suma importância, porém, conhecer a substância do que você crê. Muitas vezes sua fé vai ser testada e ela precisa estar em ótimo estado para não falhar diante do inimigo. Sem uma manutenção adequada, diante do teste ela irá falhar e você vai acabar machucado , ferido e envergonhado. É preciso conservar a fé, é preciso examinar as condições dela, limpá-la das impurezas que a poeira da vida acumula sobre ela, tirar-lhe a ferrugem.
Faça um exame da sua fé. Vamos lá:
Você diz que crê em Deus, mas me diga que Deus é este e se sabe o que ele fez por amor de você.  
Você diz que Jesus é Senhor, mas me diga se ele reina realmente em sua vida.
Você diz que é crente, mas me confesse se não procura ocultar sua fé com medo de ser envergonhado.
Você diz que é templo e morada do Espírito Santo, mas me fale de sua vida diária de oração ( se você lembra de orar...)

Sinto dizer que se você não faz manutenção na sua fé, não a preserva e não a cuida acabará percebendo como isso é perigoso quando for realmente precisar usar a fé. Se não cuidar destes pontos vai acabar duvidando de Cristo , de Deus e da Bíblia, naufragando na fé.

Olhemo o salmista que  possuía uma fé pujante, bem conservada,  ele  depositava sua confiança na sua obediência ao  Senhor , olhe o que ele  diz:

"Nas tuas ordenanças coloquei minha esperança"

Ou seja, ele acreditava que enquanto meditasse na vontade de Deus e se esforçasse por obedecer ele seria vencedor, jamais seria derrotado.
Ele sabia que no seu Senhor ele poderia confiar, sua obediência, sua fé e sua lealdade a Deus seriam recompensadas com a vitória.

Esta era a verdade em que o salmista podia confiar. Jeová não falharia, seu Deus era garantia de êxito. A palavra da verdade, ou seja, a apalavra de fé estava ardendo no seu coração.

Por isso que a fé deve estar sempre bem nutrida, sempre em bom estado, pois quando menos se espera vem a prova, vem a luta, vem  os dissabores da vida e precisamos de fé para superá-los. Não uma fé capenga, enfraquecida, uma fé morta por falta de uso, pelo contrário , ela deve ser uma fé viva e dinâmica, no Deus verdadeiro, em Jesus Cristo nosso Senhor e obediente aos divinos preceitos.







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trindade Imanente e Trindade Econômica

Não se pode estudar Teologia do ponto de vista ortodoxo sem refletir a respeito da doutrina Trindade. A grande maioria das Igrejas cristãs abraça esta doutrina. Ela é básica para o Cristianismo.  A Declaração típica do credo cristão histórico é: Cremos em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo .
Os judeus do tempo de Jesus davam muita ênfase à unidade de Deus, e esta ênfase foi trazida para dentro da igreja cristã. Não muito tempo depois,  estudiosos da Bíblia notaram que a Unidade ensinada no Judaísmo não era tão evidente assim como se entendia na época. Analisando as afirmações de Cristo e as revelações do apóstolo Paulo chegou-se a conclusão de uma Triunidade, também chamada de  Trindade .
Tertuliano (ca. 160 - ca. 220 d.C.) foi o teólogo responsável pelo desenvolvimento do termo Trindade, ele criou a palavra “Trindade” (no latim, Trinitas), esse termo desde a sua época tornou-se característico da teologia cristã. Muitos teólogos do cristi…

Um caminho sujo para o jovem limpo - Salmo 119.9

Com que purificará o jovem o seu caminho? Observando-o conforme a tua palavra.  Salmo 119.9

Imagine comigo uma cena : um rapaz  limpo e  cuidadoso , com vestes muito brancas, tem de  cruzar por um caminho difícil e sujo para chegar ao seu destino. Para complicar , o lugar que o espera só o receberá se estiver com suas  vestes limpas. A trilha é lamacenta e ele irá inevitavelmente se sujar. Não há grama, concreto, pedras ou algum atalho identificável, ele terá que passar pelo barro. Para um jovem asseado como ele , a sujeira é desafiadora, incômoda, detestável. Sua aflição é grande por que sabe ter que trilhar este caminho. Mas imagine também que ele ouça alguém que lhe dirige a palavra dizendo: por aqui, escute a minha voz, siga por este caminho, desvie dos buracos. Mais adiante  esta voz lhe  avisa sobre uma poça, um galho, um obstáculo e assim  por diante, conselho sobre conselho, ele vai seguindo sem duvidar que essa voz lhe manterá  longe da sujeira e dos perigos do caminho. Não prec…

Os Pais capadócios

A região da Capadócia (também conhecida como Província da Capadócia) era localizada na área centro-oriental da Anatólia na moderna Turquia. Era um dos domínios romanos da região da Ásia Menor. Os Pais Capadócios foram três notáveis teólogos que viveram nesta região entre os concílios de Niceia (325) e o de Constantinopla (381). Sendo que suas contribuições para o Concilio constantinopolitano foram especialmente  relevantes. São eles  Basílio, Gregório de Nazianzo e Gregório de Nissa  e ficaram  conhecidos como os  Padres Capadócios.
Os três foram grandes amigos do assim chamado “Campeão da Ortodoxia” Atanásio, ou Atanásio de Alexandria , e criaram fórmulas para desenvolver a doutrina da Trindade de forma a ser aceita pela maioria dos teólogos da época. Basílio de Cesaréia e Gregório de Nissa eram irmãos, sendo que Basílio, que era seis anos mais velho, foi quem ensinou os princípios elementares da fé a seu irmão mais novo Gregório. Gregório de Nazianzo foi amigo íntimo dos dois, compartil…