Pular para o conteúdo principal

Irar-se para glória de Deus. Salmo 119. 53



Grande indignação se apoderou de mim por causa dos ímpios que abandonam a tua lei. Salmo 119. 53




Quando é que a ira é justa? Esta é uma pergunta muito relevante porque estamos sempre propensos a nos irar e agir de acordo com essa ira.

 A ira é um reflexo humano , uma resposta quase automática que nosso corpo dá quando percebemos que algo está errado. David Kornfield diz que a ira é o desejo ardente de atacar, corrigir ou destruir algo ou alguém que nos incomoda ou nos ameaça. A ira nos faz agir, e agir rápido, em diversos casos isso pode ser uma vantagem primitiva. Se estamos sendo agredidos a ira nos faz lutar, se estamos precisando defender a família ou amigos a ira nos projeta para sua defesa.
Mas raramente estes casos extremos justificam os muitos acessos de  ira que incorremos no decurso da vida.  Os motivos que nos levam a ira são muito menos nobres. Acredito que um dos principais motivos de ira é nossa tendência a proteger nosso orgulho, nossa vaidade e nosso amor próprio. 

Esse tipo de ira, necessária em determinadas situações, leva a pessoa a agir em favor da verdade, do amor e da justiça. Nunca em defesa própria!
 O Salmista foi muito correto em sua ira, ele não estava se indignando por causa de si mesmo, por causa de uma ofensa pessoal que houvera recebido. Não , ele estava se indignando por causa da santidade de Deus. Há homens que lutam ferozmente, com todas as forças que possuem para que a Majestade do Senhor seja conhecida e reconhecida na terra. Por isso, por tal amor, por tal devoção eles se iram contra as injustiças, as crueldades dos homens, as falsidades e tudo quanto é pecado e ofende a Santidade divina.
Apesar da ira não ser um sentimento negativo por  si mesma, ela pode provocar uma reação totalmente pecaminosa como uma agressão , seja verbal ou física, ela também pode provocar ressentimentos, amarguras, ou ainda por provocar graves erros de julgamento.

O segredo para sermos bem sucedidos ao controlar a ira é pensar na hora , " poxa , por que estou irado?" Se a resposta da pergunta é algo ligado ao seu bem estar, suas necessidades ou sua honra ou orgulho é hora de rever sua ira e rogar a Deus para que essa ira suma o mais rápido possível. Claro que isso é difícil, mas com treino  e motivação conseguimos, o importante é construir o hábito de refletir mesmo estando irado, o que parece, mas não é, tão simples.
O motivo mais justo para nos irarmos é a busca pela vindicação do nome de Deus entre as nações. Quando percebemos o pecado e isso nos deixa irado isso é sinal de que o Espírito Santo está trabalhando em nossa vida. Não só o pecado notável que percebemos na vida de outrem, mas nosso pecado também. 

Essa ira contra o pecado, a transgressão,  aponta para nosso amor e devoção ao Senhor. Aponta para nosso temor , nossa disposição de honramos àquele que merece toda honra e Glória , nosso Deus.  Neste contexto sim, faz sentido irar-se para glória de Deus.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Zwínglio o Reformador Completo

Huldreich Zwínglio (1484-1531) foi um homem formidável, acima de seu tempo. Viveu pouco tempo (47 anos) e não é tão conhecido hoje como Calvino ou Lutero, no círculo evangélico. Ele era um teólogo excepcionalmente capaz como Calvino , como também possuía qualidades de liderança e fibra que se distinguiam na personalidade de Lutero.
Zwínglio foi o líder da reforma suíça e fundador das igrejas reformadas suíças. Independentemente de Martinho Lutero, Zwínglio chegou a conclusões semelhantes pelo estudo das Escrituras. Os dois não foram influenciados em suas teologias um pelo outro, suas reformas e inovações se deram em paralelo, naturalmente guiados pelo Espírito Santo.
Ele foi famoso por propor, assim como Lutero, algumas teses que confrontavam a teologia romana. Os 67 artigos de Zwínglio. Clique AQUI para conhecer os 67 Artigos de Zwínglio. Zwínglio contrastava de Lutero pois , apesar de enérgico e implacável contra os desmandos do papa e as heresias romanas , ele sempre contestava …

Trindade Imanente e Trindade Econômica

Não se pode estudar Teologia do ponto de vista ortodoxo sem refletir a respeito da doutrina Trindade. A grande maioria das Igrejas cristãs abraça esta doutrina. Ela é básica para o Cristianismo.  A Declaração típica do credo cristão histórico é: Cremos em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo .
Os judeus do tempo de Jesus davam muita ênfase à unidade de Deus, e esta ênfase foi trazida para dentro da igreja cristã. Não muito tempo depois,  estudiosos da Bíblia notaram que a Unidade ensinada no Judaísmo não era tão evidente assim como se entendia na época. Analisando as afirmações de Cristo e as revelações do apóstolo Paulo chegou-se a conclusão de uma Triunidade, também chamada de  Trindade .
Tertuliano (ca. 160 - ca. 220 d.C.) foi o teólogo responsável pelo desenvolvimento do termo Trindade, ele criou a palavra “Trindade” (no latim, Trinitas), esse termo desde a sua época tornou-se característico da teologia cristã. Muitos teólogos do cristi…

A Importância da Reforma nos nossos dias

A Importância da Reforma nos nossos dias

Olá irmãos em Cristo. Estamos em clima de festa, pois no dia 31 de outubro comemoramos o aniversário da Reforma Protestante. E a convite do meu amigo Vitor, estou aqui para fazer um breve texto sobre a importância da Reforma nos nossos dias atuais.
Pouco se ouve falar da Reforma nos nossos dias atuais. A mídia tenta encobrir essa data com o Halloween, e as escolas quando falam sobre o assunto, na maioria dos casos, coloca os reformadores como os “vilões” da história.
A Reforma começou na Alemanha, no ano de 1517, quando o então cardeal da Igreja Católica Martinho Lutero se opôs a algumas regras e normas impostas pela Igreja Católica, como as indulgências, proibição de qualquer pessoa ler a Bíblia, o uso de imagens de santos nos cultos etc. E então, no dia 31 de outubro de 1517, Lutero coloca na parede da Catedral de Wittenberg as suas 95 Teses. E nessas teses, Lutero coloca suas oposições à grande parte daquilo que o catolicismo pregava, propagand…