Pular para o conteúdo principal

A dor que me ensina. Salmo 119.71

Foi-me bom ter sido afligido, para que aprendesse os teus estatutos. Salmo 119.71

Foi-me bom ter sido afligido, para que aprendesse os teus estatutos.

Salmos 119.71

Todos nós gostamos de conforto, de paz e tranquilidade, o cristão não é uma exceção. Ele sabe apreciar os bons momentos que o Criador lhe proporciona nesta terra.

Mas nem todos os momentos são bons e o salvo deve entender que há momentos duros nesta vida, momentos de aflição, e há sempre um bom motivo para que eles ocorram. Um motivo que Deus conhece. O conforto muitas vezes impede a maturidade, impede o crescimento. O conforto nos tira do foco da virtude. O sossego nos deixa acomodados, insensíveis.

Por outro lado, a dor nos aproxima da fonte da graça que é o bendito Espírito Santo. A dor nos sacode, nos balança, faz com que nos sintamos dependentes, necessitados. A dor deixa marcas, algumas destas bem profundas; deixam cicatrizes, feridas na alma.

Existem dores violentas, dores moderadas, dores fracas, mas todas elas têm seu propósito, todas têm o objetivo definido por Deus. As aflições moldam nosso caráter, quem seríamos nós se fôssemos sempre  tratados com o bom e com o melhor? Se sempre estivéssemos de excelente saúde, com riquezas, bens e nenhum sofrimento sentimental nem emocional? Seríamos crentes bibelôs, e não teríamos estrutura e base para aconselhar os que sofrem. Não seríamos pacientes, amorosos, empáticos e bondosos. A lei do amor de Cristo nos oferece um caminho difícil, um caminho duro para chegarmos ao caráter aprovado de filho obediente.

Seria muito fácil se Deus nos salvasse e nos retirasse da terra para não lutarmos mais contra o pecado e a velha natureza, mas não é assim que Deus quer, Ele deseja que aprendamos e nos edifiquemos mutuamente, e essa aprendizagem é lenta e dolorosa.

A aprendizagem espiritual envolve dor, envolve esforço,  este processo  é extremamente complicado, há perdas, há lutas, crises, choro. Afinal para tornar-se um bom soldado é preciso enfrentar as batalhas mais  duras. Sombra e água fresca nunca tornaram um cristão mais sábio e mais prudente. A obediência é aprendida por meio da disciplina e da dor, é por este  meio que nossos caminhos são endireitados. A dor nos ensina, é o caminho da aflição que nos torna mais parecidos com Cristo. Foi ele quem sofreu sem nenhuma dor merecer.

É bom olharmos para trás e fazer uma retrospectiva o quanto sofremos e o quanto aprendemos. Passar em revista nossos erros e acertos, projetos que vingaram e projetos que faliram, e depois de toda esta reflexão vamos dizer como o salmista:

Foi-me bom ter sido afligido, para que aprendesse os teus estatutos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trindade Imanente e Trindade Econômica

Não se pode estudar Teologia do ponto de vista ortodoxo sem refletir a respeito da doutrina Trindade. A grande maioria das Igrejas cristãs abraça esta doutrina. Ela é básica para o Cristianismo.  A Declaração típica do credo cristão histórico é: Cremos em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo .
Os judeus do tempo de Jesus davam muita ênfase à unidade de Deus, e esta ênfase foi trazida para dentro da igreja cristã. Não muito tempo depois,  estudiosos da Bíblia notaram que a Unidade ensinada no Judaísmo não era tão evidente assim como se entendia na época. Analisando as afirmações de Cristo e as revelações do apóstolo Paulo chegou-se a conclusão de uma Triunidade, também chamada de  Trindade .
Tertuliano (ca. 160 - ca. 220 d.C.) foi o teólogo responsável pelo desenvolvimento do termo Trindade, ele criou a palavra “Trindade” (no latim, Trinitas), esse termo desde a sua época tornou-se característico da teologia cristã. Muitos teólogos do cristi…

Um caminho sujo para o jovem limpo - Salmo 119.9

Com que purificará o jovem o seu caminho? Observando-o conforme a tua palavra.  Salmo 119.9

Imagine comigo uma cena : um rapaz  limpo e  cuidadoso , com vestes muito brancas, tem de  cruzar por um caminho difícil e sujo para chegar ao seu destino. Para complicar , o lugar que o espera só o receberá se estiver com suas  vestes limpas. A trilha é lamacenta e ele irá inevitavelmente se sujar. Não há grama, concreto, pedras ou algum atalho identificável, ele terá que passar pelo barro. Para um jovem asseado como ele , a sujeira é desafiadora, incômoda, detestável. Sua aflição é grande por que sabe ter que trilhar este caminho. Mas imagine também que ele ouça alguém que lhe dirige a palavra dizendo: por aqui, escute a minha voz, siga por este caminho, desvie dos buracos. Mais adiante  esta voz lhe  avisa sobre uma poça, um galho, um obstáculo e assim  por diante, conselho sobre conselho, ele vai seguindo sem duvidar que essa voz lhe manterá  longe da sujeira e dos perigos do caminho. Não prec…

Os Pais capadócios

A região da Capadócia (também conhecida como Província da Capadócia) era localizada na área centro-oriental da Anatólia na moderna Turquia. Era um dos domínios romanos da região da Ásia Menor. Os Pais Capadócios foram três notáveis teólogos que viveram nesta região entre os concílios de Niceia (325) e o de Constantinopla (381). Sendo que suas contribuições para o Concilio constantinopolitano foram especialmente  relevantes. São eles  Basílio, Gregório de Nazianzo e Gregório de Nissa  e ficaram  conhecidos como os  Padres Capadócios.
Os três foram grandes amigos do assim chamado “Campeão da Ortodoxia” Atanásio, ou Atanásio de Alexandria , e criaram fórmulas para desenvolver a doutrina da Trindade de forma a ser aceita pela maioria dos teólogos da época. Basílio de Cesaréia e Gregório de Nissa eram irmãos, sendo que Basílio, que era seis anos mais velho, foi quem ensinou os princípios elementares da fé a seu irmão mais novo Gregório. Gregório de Nazianzo foi amigo íntimo dos dois, compartil…