Pular para o conteúdo principal

O Ódio Inteligente.Salmos 119.104

Pelos teus mandamentos alcancei entendimento; por isso odeio todo falso caminho.  Salmos 119.104


Você sabe odiar com inteligência? Sabe amar com moderação?
A sabedoria do salmista era odiar com inteligência. Parece estranho mas o fato é que nem todo o tipo de  amor é ideal.   
O amor é a coisa mais bela, mais profunda e mais desejada do mundo. Por amor se fazem coisas extraordinárias, gestos maravilhosos, obras grandiosas. Histórias magníficas são construídas em nome do amor. Sentimento cantado e declamado por poetas e músicos.
Analisando com mais detalhes, podemos perceber que nem sempre o amor é  tão belo e tão  bom.  O amor próprio elevado ao extremo gera o egoísmo, gera uma desmedida vaidade. Também, no outro extremo,  em nome do amor alguém pode valorizar tanto o ser amado que acaba por deixar de cuidar de si e de se valorizar, o que não é nada positivo.  Alguns tem tanto amor às coisas que acabam dando sua vida tentando protegê-las.Uns amam tanto sua terra,  amam  um esporte (por exemplo o futebol),  amam  um carro, uma casa; enfim são tantos amores desvirtuados que muitos deixam de cuidar de sua família e de si mesmo em nome destes tipos de amor. Amores assim são destrutivos. Amores que anulam outros amores mais legítimos.
O ódio ao contrário é mal visto. A maioria das pessoas não quer nem aprecia  este sentimento. Ele é visto como negativo, algo a ser evitado sempre. Como diz o provérbio: "O ódio enfeia o rosto e adoece o coração "(Pv 15.13).
Mas a Bíblia ensina que o ódio em alguns ocasiões é bem vindo. Neste caso, o salmista está dizendo que observando a Palavra e alcançando por ela o entendimento ele pode descobrir em si mesmo o ódio pelos caminhos falsos , ou seja, pela mentira.
Há muitas coisas que são necessárias para se odiar. O ódio só é destrutivo quando se dirige aos indivíduos. As pessoas por mais malignas que sejam , ou  por mais que nos tenham feito mal, devem ser perdoadas e amadas, nunca odiadas.
Mas agora o salmista não ensina odiar pessoas, ele ensina a odiar os caminhos maus.
Devemos odiar o orgulho, mas não as pessoas orgulhosas.
Odiar o preconceito, mas não as pessoas preconceituosas.
Odiar a inveja, mas não as pessoas invejosas.
Odiar a mentira, mas não as pessoas mentirosas.
Devemos odiar o nosso pecado, nossos erros, nossas falhas, mas não odiarmos a nos mesmos.
Resumindo, devemos odiar o pecado, mas não odiar o pecador. O pecador precisa ser perdoado e não odiado.
É comum odiarmos as pessoas e esquecermos de odiar as atitudes erradas. Alguns odeiam  quando alguém mente para eles, mas não odeiam a mentira a ponto de também evitarem de mentir para alguém. Se  odiássemos  de verdade o pecado e as atitudes erradas em vez de odiarmos as pessoas seremos muito mais felizes e abençoados e estaremos cumprindo toda a lei de Cristo.

Amar as pessoas e odiar o pecado, isso é um ódio inteligente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trindade Imanente e Trindade Econômica

Não se pode estudar Teologia do ponto de vista ortodoxo sem refletir a respeito da doutrina Trindade. A grande maioria das Igrejas cristãs abraça esta doutrina. Ela é básica para o Cristianismo.  A Declaração típica do credo cristão histórico é: Cremos em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo .
Os judeus do tempo de Jesus davam muita ênfase à unidade de Deus, e esta ênfase foi trazida para dentro da igreja cristã. Não muito tempo depois,  estudiosos da Bíblia notaram que a Unidade ensinada no Judaísmo não era tão evidente assim como se entendia na época. Analisando as afirmações de Cristo e as revelações do apóstolo Paulo chegou-se a conclusão de uma Triunidade, também chamada de  Trindade .
Tertuliano (ca. 160 - ca. 220 d.C.) foi o teólogo responsável pelo desenvolvimento do termo Trindade, ele criou a palavra “Trindade” (no latim, Trinitas), esse termo desde a sua época tornou-se característico da teologia cristã. Muitos teólogos do cristi…

Um caminho sujo para o jovem limpo - Salmo 119.9

Com que purificará o jovem o seu caminho? Observando-o conforme a tua palavra.  Salmo 119.9

Imagine comigo uma cena : um rapaz  limpo e  cuidadoso , com vestes muito brancas, tem de  cruzar por um caminho difícil e sujo para chegar ao seu destino. Para complicar , o lugar que o espera só o receberá se estiver com suas  vestes limpas. A trilha é lamacenta e ele irá inevitavelmente se sujar. Não há grama, concreto, pedras ou algum atalho identificável, ele terá que passar pelo barro. Para um jovem asseado como ele , a sujeira é desafiadora, incômoda, detestável. Sua aflição é grande por que sabe ter que trilhar este caminho. Mas imagine também que ele ouça alguém que lhe dirige a palavra dizendo: por aqui, escute a minha voz, siga por este caminho, desvie dos buracos. Mais adiante  esta voz lhe  avisa sobre uma poça, um galho, um obstáculo e assim  por diante, conselho sobre conselho, ele vai seguindo sem duvidar que essa voz lhe manterá  longe da sujeira e dos perigos do caminho. Não prec…

Os Pais capadócios

A região da Capadócia (também conhecida como Província da Capadócia) era localizada na área centro-oriental da Anatólia na moderna Turquia. Era um dos domínios romanos da região da Ásia Menor. Os Pais Capadócios foram três notáveis teólogos que viveram nesta região entre os concílios de Niceia (325) e o de Constantinopla (381). Sendo que suas contribuições para o Concilio constantinopolitano foram especialmente  relevantes. São eles  Basílio, Gregório de Nazianzo e Gregório de Nissa  e ficaram  conhecidos como os  Padres Capadócios.
Os três foram grandes amigos do assim chamado “Campeão da Ortodoxia” Atanásio, ou Atanásio de Alexandria , e criaram fórmulas para desenvolver a doutrina da Trindade de forma a ser aceita pela maioria dos teólogos da época. Basílio de Cesaréia e Gregório de Nissa eram irmãos, sendo que Basílio, que era seis anos mais velho, foi quem ensinou os princípios elementares da fé a seu irmão mais novo Gregório. Gregório de Nazianzo foi amigo íntimo dos dois, compartil…